terça-feira, 30 de janeiro de 2018

A Mão Esquerda da Escuridão - Ursula K. Le Guin

Conheci a obra de Ursula Le Guin em meados do ano passado, com o lançamento de Os Despossuídos (um livro realmente maravilhoso). Foi paixão à primeira leitura. Nesse livro a autora consegue construir uma trama de ficção científica baseada em conceitos físicos relacionados com a Teoria da Relatividade, mesclado com filosofia taoista, anarquismo e uma análise sociológica sobre o machismo.
Em A Mão Esquerda da Escuridão a autora faz algo semelhante e, ao mesmo tempo, incomparável.
A história se passa em um futuro em que a humanidade se espalhou por diversos planetas e sistemas da universo. Um sistema de propulsão permite viagens em velocidades próximas à da luz e foi criado um sistema de regulação de comércio e troca de informações semelhante ao modelo da ONU chamado Ekumem.
Um emissário do Ekumen foi ao planeta Gethem, conhecido como Inverno por ainda estar em uma profunda Era Glacial, para tentar convencer os resistentes governos locais a aderir à comunidade galática. Entre os desafios enfrentados pelo emissário Genly Ai é a fisiologia dos habitantes desse planeta. Embora descendam dos mesmos humanos que colonizaram todos os demais planetas, eles evoluíram de forma a praticamente eliminar a distinção sexual. Durante quase todo o tempo eles são hermafroditas e não manifestam fenótipo masculino ou feminino. A exceção ocorre apenas no período fértil, em que cada indivíduo. Nesse período eles podem manifestar como machos ou fêmeas, conforme o estímulo ambiente; e podem se comportar com um dos sexos em um período e com o outro num período seguinte.
O livo é permeado por camadas em que se imbricam sociologia, filosofia, ciência, aventura e trama política, criando uma narrativa ímpar na literatura mundial.

sábado, 8 de julho de 2017

O Clube do Fogo do Inferno - Peter Straub

Straub é daqueles autores que ficaram estigmatizados como "escritor de livros de terror", talvez por ter escrito ótimos livros desse gênero; mas O Clube do Fogo do Inferno não segue exatamente a receita. Há momentos de tensão psicológica ou de horror realístico, mas nada daquele bom e velho "terror de gelar o sangue".
Com um método narrativo que eu adoro, ele primeiro gasta duzentas páginas — um terço do livro — apresentando a personagem principal, Nora Chancel, ex-enfermeira que serviu na guerra do Vietnã, atualmente casada com o mimado, imaturo e problemático Davey Chancel, herdeiro da Casa Editorial Chancel. A história e a personalidade de uma miríade de personagens se apresenta aos poucos, à medida que os acontecimentos levam à reflexão sobre acontecimentos passados.
Vemos, por exemplo, que Nora fora estuprada durante a guerra, por soldados compatriotas, que seus traumas deixaram marcas profundas e que há momentos de seu passado que ela prefere evitar, e que, consequentemente, ficam pouco explicados nas primeiras duas centenas de páginas do livro. O próprio tema do estupro volta a ser abordado de modo bastante polêmico no segundo terço da história, quando Nora é raptada por um serial killer local. Aliás eu diria que toda a maneira como as personagens femininas, especialmente Nora, são construídas nesse livro da década de 1990 merecem uma reflexão.
A Casa Chancel é apresentada quase como sendo a editora de um livro só, pois seu maior sucesso, Jornada da Noite é responsável por quase toda a fortuna da família Chance. Straub faz um trabalho incrível relacionando o livro fictício com seu romance, com personagens totalmente obcecados por Hugo Driver, o autor fictício. 
Quando Nora é engolida pela trajetória de fuga de seu sequestrador ela percebe que os mistérios de Hugo Driver e da Casa Chacel podem ser maior do que a paixonite literária de seu marido. 
Enfim, um livro excelente, muito bem elaborado, que prende do início ao fim. Só é uma pena estar fora de circulação atualmente no Brasil, só podendo ser encontrado em sebos ou bibliotecas.

sábado, 3 de junho de 2017

Psicose - Robert Bloch

O que pode ser pior o que tentar passar uma noite como hóspede de Norman Bates?
Ser criado por Norma Bates?

Psicose (o filme) é um dos maiores clássicos do cinema. Vale muito a pena encarar suas cenas em branco e preto e atuação pudica para conhecer e admirar uma obra-prima do talentoso Alfred Hitchcock, que alega ter tirado o filme todo das páginas deste livro.
É triste que ele tenha ficado tanto tempo esgotado no Brasil, mas agora foi ressuscitado pela DarkSide, em duas edições primorosas.

O livro conta a história de Norman Bates, o recluso misantropo que gerencia um hotel de beira de estrada (motel) há quilômetros da cidade mais próxima. Em uma noite de chuva forte chega a única hóspede do motel para aquele final de semana, Mary Crane, que dirigia há dezoito horas, fugindo de sua cidade depois de roubas quarenta mil dólares de seu patrão. Ela buscava a chance de começar uma nova vida com o noivo, mas teve a viagem interrompida pela chuva e pelo cansaço.
O impressionável Norman se admira com a beleza da moça e resolve espiá-la no banho, o que leva sua mente perturbada por um profundo complexo de Édipo ao blackout.
Quando acorda encontra Mary assassinada no box do banheiro. A única possível culpada é sua mãe, já que não há mais ninguém ali.
Para salvar a controladora Norma Bates, Norman some com as provas do crime, afundando Mary, seu carro e toda sua bagagem no pântano próximo ao motel.
O problema é que, assim como uma mentira leva a outra, um assassinato leva a outros. Bates tem então que lidar com as pessoas que seguem a trilha de Mary até o Bates Motel. O resultado é um dos melhores livro de suspense do século XX.

sábado, 6 de maio de 2017

Galope do Amor - Danielle Steel

Danielle Steel, minha autora para leituras leves e tempos difíceis.
O que faz uma mulher ao ser abandonada por seu marido? Digo, o que fazia uma mulher ao ser abandonada por seu marido há 30 anos, porque hoje, ela arruma um ou dois pares de outros homens pra mostrar que não precisa de homens.
Samantha Taylor é uma linda e famosa publicitária, casada com um famoso apresentador de TV. Eles tinha o que parecia ser um casamento feliz, a não ser pelo fato de ele se ressentir por ter menos estabilidade em seu emprego que sua mulher e de não poder ter um filho com ela, embora negue e renegue a possibilidade de adoção.
Quando ele anuncia a decisão de abandoná-la para ficar com a amante que está grávida, o mundo de Samantha cai.
De coração destroçado e para tentar superar a dor, ela decide passar uma temporada na Califórnia, na fazenda de uma amiga, vivendo com simplicidade, aproveitando o ar puro, a natureza e curando suas feridas.
A mudança e ritmo de vida e de ambiente ajudam-na a superar o golpe que sofreu. Sem contar a ajuda que recebe do charmoso capataz Tate Jordan.
Mas como Danielle Steel é uma mulher de reviravoltas, a situação não poderia se resolver tão simplesmente. Quando Samantha começa a voltar ao prumo, Tate descobre que ela é uma bem sucedida mulher de negócios de Nova York e a abandona por não se julgar à atura.

sábado, 1 de abril de 2017

Crônicas Saxônicas: O Trono Vazio - Bernard Cornwell

O grande sonho de Alfredo, rei de Wessex, era unir os quatro reinos saxões da Britânia, Wessex, Mercia, Ânglia Oriental e Nortúmbria em um único grande e poderoso reino, a Anglaterra. Para isso ele dedicou toda sua vida a fortalecer Wessex e estender sua influência aos reinos vizinhos, ao mesmo tempo em que combatia os invasores dinamarqueses.
Alfredo também dedicou boa parte de sua vida ao cristianismo, religião que abraçava com fé inabalável, entretanto, seu principal guerreiro, o notório senhor Uhtred de Bebbanburg, era pagão. E mesmo sendo pagão, Uhtred lutou toda sua vida entre os cristãos para expulsar os invasores do solo britânico.
Muitos anos depois do início dessa saga, com Alfredo já morto e seu filho Eduardo no trono, o velho guerreiro Uhtred continuava em sua batalha, protegendo a família e buscando o sonho de Alfredo. Já há muito tempo ele era o principal guerreiro e o amante da filha do falecido rei, Aethelflaed, esposa de Aethelred, primo de Uhtred e senhor da Mercia, sob o comando de Wessex.
Neste livro, Aethelred e Uhtred, ambos envelhecidos, sofrem com as feridas de sua última batalha contra os dinamarqueses. Em sua agonia final Aethelred reúne seus apoiadores para um golpe final em seu primo e inimigo, mandar Aethelflaed para um convento e colocar outro inimigo no trono da Mercia.
Uhtred, por outro lado, ainda conta com aliados, que junto com ele, buscarão consolidar o poder de Aethelflaed e unir a britânia. Para isso eles usarão os artifícios de sempre, uma força implacável na guerra e estratégias dignas do xadrez na política. Em conselhos e deliberações, em batalhas e casamentos, empocilgas e castelos, acompanhamos uma mente brilhante funcionando e buscando seu ideal.
Ao passo que envelhece, seus filhos Uhtred e Stiorra, começam a seguir os passos do pai, ele como grande guerreiro, espada de Wessex, e ela como senhora pagã.
Acima de tudo a certeza de que o destino é inexorável.

sábado, 4 de março de 2017

Encontro com Rama - Arthur C. Clarke

Já há alguns anos eu pretendo ler 2001: Uma Odisseia no Espaço, do genial Arthur C. Clarke, mas por um capricho do destino Encontro com Rama chegou às minhas mãos mais cedo. E foi ótimo porque o livro é excelente, muto bem elaborado, com uma linguagem clara e direta, com detalhes ricos, mas lógicos, e um enredo ímpar.
Clarke usa e abusa de seu conhecimento literário, fazendo referências a obras de seus contemporâneos, mesmo em uma trama que se passa um século e meio a frente de seu tempo. Ele também se vale de sua formação em Física para um sólido embasamento teórico em suas conjecturas para o futuro. 
Na história, após um cataclismo causado pelo choque de um meteorito com uma região amplamente povoada da Europa em 2077, os cientistas constroem sistema de monitoramentos dos astros dedicado a proteger o Sistema Solar, o Spaceguard. Cinquenta anos depois, é encontrado um asteroide de proporções inimagináveis se dirigindo ao Sol. Ele é batizado de Rama — um deus da mitologia hindu — e atrai as atenções de toda a humanidade, agora espalhada entre os planetas Terra, Marte, Júpiter e a Lua.
Os primeiros estudos indicam que o asteroide que se aproxima da Terra tem estrutura cilíndrica regular, uma rotação de quatro minutos e, dada sua massa e densidade, seria oco. Ou seja, não se trata de um corpo celeste, mas de um objeto artificial, construído por uma inteligência alienígena.
Capitão Norton, da nave Endeavour é escalado para a missão de reconhecimento de Rama, e conduz uma expedição sem precedentes, ao interior de uma construção alienígena. É sua tarefa liderar a única equipe que poderá investigar Rama, devido a sua trajetória em direção ao Sol. Pela mesma razão a tripulação da Endeavour deve abandonar Rama antes que atinjam uma temperatura insustentável.
Haveriam formas de vida alienígena no interior de Rama? Seria ele uma tumba? Uma nave? Uma ecossistema independente? Traria algum risco à Terra?

Não sei se era a intenção do autor, mas livro acaba lembrando bastante o clássico de Júlio Verne, Viagem ao Centro da Terra, com suas descidas ao interior de Rama, a investigação inusitada, o sentido de estar onde nenhum outro homem esteve.
De qualquer modo é um ótimo livro e deve estar em toda biblioteca de ficção científica.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Rascunhando Sobre a Vida: nas entranhas do universo - Gaston Leonardo Stefani

Marcelo Mourão relaciona o segundo livro de Gaston Stefani com o fenômeno da pós-modernidade, devido a multiplicidade de vozes que o autor emprega em seus escritos. Eu ampliaria o conceito relacionando-o também com chamada Idade-Mídia em que vivemos. Gaston usa de diversos recursos literários para compor uma obra plural e ímpar.
Alternados entre suas breves páginas, encontramos contos, poesias longas e curtas, minicontos, nanocontos... vemos amor, sexo, terror, esperança, distopia, polêmica, enfim, Gaston capta tudo que está na cena da literatura contemporânea e compõem uma miscelânea literária muito interessante.
Sem dúvidas um livro recomendado.
A mais chamativa das obras desse livro é o duplo conto Final (I e II) sobre como Renato descobri que na verdade os nazistas venceram a Segunda Guerra Mundial e dominaram o mundo em segredo.